quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Evento na Câmara Municipal: Somos Assim - Mulheres na arte, na sociedade e na cultura italo brasileira de Porto Alegre



 Somos assim - mulheres na arte, na sociedade e na cultura ítalo – brasileira de Porto Alegre.
 Siamo così – le donne nell'arte, nella società e cultura italo - brasiliana di Porto Alegre.

Programação:

dia 6 de março, quarta-feira - Abertura do Evento – Mostra com a presença das autoridades
> 19h: Inauguração do Evento com a Mostra de artistas ítalo-brasileiras e convidadas, com Curadoria de Emília Viero e Mara Caruso
> 20h: Coquetel.

> quinta-feira 7 de março:

> 10h: Abertura do Encontro “Diálogo- Café: Somos assim - mulheres na arte, sociedade e cultura ítalo cultura ítalo - brasileira de Porto Alegre”.

> Coordenadora da mesa: Ereci A. Mogetti (Vice presidenta da Associação)

·  > A valorização da mulher e seu papel nos centros de Cultura Italiana: Cláudia Antonini - formada em Comunicação Social, especialização no Ensino do Italiano e mestrado em Relações Públicas Europeias
·  > A participação da mulher na Política: Sofia Cavedon - Vereadora de Porto Alegre
·  > Educação e o Ensino de línguas: Joice Armani Galli (UFPernambuco – Via Internet) Professora. Dra. de Lingua Estrangeira ba Universidade Federal de Pernambuco
·  > A Arte e a Cultura: Zoravia Bettiol - Artista Plástica
>A mulher e a Imigração:  Incoronata Grosso - Leitora do Consulado de Porto ALegre


 12h e 30 min: break para almoço;

> 14h: últimas intervenções e encerramento do Diálogo- Café;
> 15h: Apresentação de uma seleção do vídeo do Concerto “Amiche per l'Abruzzo” produzido por Laura Pausini, Fiorella Mannoia, Gianna Nannini, Giorgia Todrani, Elisa Toffoli que viu a participação de38 cantoras incluídas aquelas acima mencionadas.
> Abertura da apresentação: Armando Traversoni – Presidente da Associação Cultural Itália – Porto Alegre

> 17h: Avaliação e Encerramento do Evento


Uma sugestão de Leitura:

A COMPREENSÃO DO SABER
FAZER COTIDIANO E A RESSIGNIFICAÇÃO DOS
PAPÉIS ENTRE MULHERES CAMPONESAS

      A dissertação de Mestrado de Fernanda Simonetti aborda como é a vida dessas mulheres camponesas e descendentes de imigrantes italianos e como as mesmas vêm adquirindo novos espaços dentro da sociedade através dos anos. Esse é um processo lento, mas que aos poucos vem se consolidando. Tanto que isso pode ser percebido no ganho da autonomia de algumas dessas mulheres com a venda de seus produtos e o ganho de seu dinheiro, conseguindo por vezes auxiliar nas despesas da casa junto com seu marido. A conquista de uma voz ativa dentro da família é outro item que merece ser destacado, isso demonstra uma sensível mudança dentro da estrutura de família patriarcal oriunda da Europa. Há décadas atrás a mulher não poderia expressar a sua opinião, pois tudo era feito por ordem paterna. Ressalto, porém, que muitas das características e valores que remetem aos primeiros imigrantes aqui chegados, ainda permanecem, como: a devoção ao trabalho, a religiosidade católica, a busca por uma família unida e até mesmo a alimentação típica que permanece presente tanto nas casas, como nas festas da comunidade. É preciso conceber essas mulheres como envoltas nestas características, mas que, ao mesmo tempo, têm buscado cada vez mais sua autonomia, sem abrir mão de seus valores


Dissertação: “MAMMA MIA”: A COMPREENSÃO DO SABER FAZER COTIDIANO E A RESSIGNIFICAÇÃO DOS PAPÉIS ENTRE MULHERES CAMPONESAS


 UMA SUGESTÃO DE FILME/DOCUMENTÁRIO:


O documentário Un Bacio su Cristo, il Santo su Pozzo terá estreia no dia 20 de abril em Caxias do Sul, no Centro de Cultura Ordovás Filho, às 18h30min. O filme foi gravado em novembro de 2011 nas cidades de Bento Gonçalves, onde foi lançado em 16 de março, e Garibaldi.
Un Bacio Su Cristo, il Santo su Pozzo, com duração aproximada de 12 minutos, retrata a história de Enrica Pasianot. Nascida na Itália em 11 de novembro de 1911, vivenciou os horrores da 1ª Guerra Mundial, na qual seu pai era soldado. Presenciou a ascensão de Mussolini e Hitler, os pactos entre a Alemanha Nazista e Itália Fascista e o sofrimento do povo com as chamadas ‘limpezas étnicas’, fato paralelo ao efervescente processo de industrialização da Europa.
Em 1918, o pai de Enrica foge da Itália para a Argentina. Em 1927, Enrica, junto à mãe e irmãos, vem para o Brasil, a pedido do pai, que já havia se instalado no país. Moraram em Cotiporã e, atualmente, Enrica reside em Bento Gonçalves.
O lançamento em Bento Gonçalves levou cerca de 300 pessoas para Fundação Casa das Artes lotada, em 16 de março. O evento contou com a presença da própria Enrica e seus familiares, além do cônsul da Itália em bento.


Filmes italianos abordam imigração no Festival de Veneza

Exibido na competição, "Terraferma" critica repressão no governo de Silvio Berlusconi

A imigração na Itália é um tema importante no Festival de Veneza 2011, com vários filmes domésticos assumindo uma visão crítica sobre como as autoridades do país e o povo italiano estão lidando com uma onda crescente de recém-chegados.

A questão não poderia ser mais atual em um ano em que dezenas de milhares de imigrantes ilegais, fugindo dos distúrbios políticos no norte da África e da guerra civil na Líbia, chegaram na Itália e em que outras centenas se afogaram no mar.


"Terraferma" (ou Terra Firme), do diretor Emanuele Crialese, explora como as vidas de um pescador e sua família em uma ilha remota na costa da Sicília é transformada quando ele resgata uma etíope grávida do mar e a esconde em sua casa.

Foto: Divulgação
Em "Terraferma", pescador resgata africana grávida no mar italiano
O filme, que está na principal competição do festival, fala de uma história ficcional e não identifica a ilha, mas seu elenco inclui uma ex-imigrante que sobreviveu à perigosa jornada no mar e a história poderia facilmente se passar em Lampedusa – um pedaço de terra italiano que vem suportando o peso dos refugiados da Tunísia e Líbia.



Nenhum comentário:

Postar um comentário